SPFC discute novas mudanças no estatuto do clube; entenda
publicidade

SPFC discute novas mudanças no estatuto do clube; entenda

0 0 0
Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presidente do São Paulo (Imagem: Marcello Zambrana/AGIF)

Conselheiros do São Paulo, de situação e oposição, têm discutido mudanças no estatuto do clube, que entrou em vigor somente há três anos. A ideia é que essas eventuais alterações sejam votadas ao longo deste ano para que, em caso de aprovação, passem a valer junto com o próximo mandato presidencial, em 2021.



São três pontos principais, que de certa forma estão interligados: o fim da existência de um vice-presidente para ser eleito junto do presidente nas eleições, a volta das vice-presidências nas principais diretorias e a escolha de um líder independente para o Conselho de Administração.



LEIA TAMBÉM: Conheça todos os possíveis candidatos a presidência do São Paulo e vote no seu favorito



Abaixo, o UOL Esporte explica cada uma dessas possíveis mudanças, as diferenças para o modelo atual e os efeitos políticos que elas podem levar ao São Paulo:



O fim do vice-presidente eleito

Segundo o texto atual do estatuto do São Paulo, as chapas que se inscreverem para uma eleição presidencial precisam conter dois nomes: um presidente e um vice. A mudança que tem sido discutida pelos conselheiros é pela extinção da exigência por um vice na chapa e fazer com que a vice-presidência se torne um cargo de confiança. Ou seja, o presidente eleito passaria a nomear um vice com quem teria mais proximidade e confiança.

Isso seria uma forma de evitar episódios como o racha entre o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e o vice Roberto Natel, que tem sido acusado até de participar dos vazamentos de documentos para um hacker. O próprio Natel também havia entrado em conflito e deixado a vice-presidência por atritos com o ex-presidente Carlos Miguel Aidar.

Quem defende essa mudança também fala em evitar conchavos políticos. Para construir alianças e angariar votos, candidatos muitas vezes negociam o cargo de vice-presidente como uma recompensa para um grupo político aceitar essa união de forças. Por outro lado, com o vice nomeado pelo presidente somente após a eleição, a gestão pode ficar menos plural.

Executivos subordinados a vice-presidentes vindos do conselho

Os grupos políticos também discutem a possibilidade de retomar uma velha prática do São Paulo, que foi abolida justamente pelo novo estatuto a partir de 2017. Com a intenção de tornar a gestão do clube mais profissional, foram abolidas as vice-presidências das diretorias para que cada pasta principal fosse gerida apenas por diretores-executivos.

Por exemplo: na última formação diretiva antes da troca de estatuto, o futebol tinha José Alexandre Médicis como vice, José Jacobson Neto como diretor — esses dois conselheiros não eram remunerados e, assim, não tinham a obrigação de trabalhar exclusivamente para o São Paulo — e só então aparecia o executivo remunerado de futebol, na época Marco Aurélio Cunha.



No formato atual, Raí é o diretor-executivo e responde diretamente a Leco na presidência e ao Conselho de Administração. Mas em outras diretorias foram contratadas figuras que faziam parte do Conselho Deliberativo, o que é visto por muitos como falta de profissionalismo. Para combater isso, já no ano passado ficou decidido que qualquer conselheiro que passe a ter cargo remunerado na diretoria seja obrigado a abandonar de vez a cadeira no CD.

Com a mudança que pode ser proposta, os executivos continuariam a ter autonomia, mas com uma espécie de supervisão do vice-presidente da pasta, que não seria remunerado e viria do Conselho Deliberativo após nomeação. Os defensores dessa alteração alegam que esse é um passo atrás para depois dar dois passos para frente. Explica-se: apesar de voltar a ter um conselheiro na gestão, o que abriria portas para conchavos políticos, ficaria proibida de vez a entrada de conselheiros nos cargos remunerados.

Mas mesmo entre os apoiadores desse formato há uma ressalva. A ideia é que ele seja aplicado de forma provisória, como um processo de transição, para que os profissionais contratados do mercado para as diretorias executivas tenham uma espécie de apoio sobre a realidade do clube, algo que na visão dessas pessoas só poderia ser dado pelos próprios conselheiros.



Eleição para a presidência do Conselho de Administração

Atualmente, o presidente do Conselho de Administração é também o presidente da diretoria executiva, ou seja, Leco. Grupos políticos do São Paulo acreditam que isso tira o peso do CA, que deveria servir como uma espécie de auditoria interna ou como um filtro sobre as decisões do clube.

A ideia que passou a ser discutida, então, é fazer com que haja uma eleição específica para escolher o líder do CA. Esse debate já dura mais tempo do que os demais citados acima e as fontes ouvidas pela reportagem acreditam que é a mudança mais viável de acontecer.



Entre os que ainda desconfiam da mudança, o argumento que mais aparece é o da preocupação com um excesso de burocracias que poderia ser gerado. O rival Santos é citado como exemplo, já que em diversos casos o Comitê de Gestão, órgão similar ao Conselho de Administração, travou decisões da diretoria por razões políticas.

São Paulo, Mudanças, Estatuto, Clube, SPFC

VEJA: Alexandre Pato ganha titularidade no São Paulo

E MAIS: Daniel Alves é 'o cara' do São Paulo em 2020


Avalie esta notícia: 19 11

Comentários (16)

17/01/2020 15:12:45 filipesousa

É triste ver o SPFC refém dessa corja de bandidos covardes, não vejo a hora desse velho safado sair da presidência.

16/01/2020 14:35:49 Jose Antonio Bringel

Velho maldito acabou com o clube faliu a instituição São Paulo

16/01/2020 14:05:28 afpascuin

Será uma ditadura, simples assim.

16/01/2020 13:24:38 Daniel Fehr

Democracia Direta Digital Já!!!!!

16/01/2020 13:20:24 Ronaldo Peixoto

Agora só tem 3 times q ainda não caíram mas desse jeito o próximo a cai vai ser nois

16/01/2020 12:16:28 wilbapjr

Esses velhos malditos querendo a perpetuação do poder. Só tem um jeito para eles largarem a "teta". Corja de filhos da p... Estão acabando com o maior time do Brasil. Hoje somos chacota dos demais clubes, graças a esse bando de velhos ladrões. FORA LECO !!!! VELHO M...

16/01/2020 11:13:15 vandick

Cara isso é mais do que justo, até o Presidente da República escolhe seu vice, onde já se viu isso, um Vice eleito, sendo assim se o Presidente for da situação e o vice da oposição, o calvário estará montado, porque certamente um irá querer engolir o outro durante todo o mandato e o clube que se ferre, se o cara levou a melhor na disputa eleitoral, ada mais do que justo ele poder nomear a cúpula dele e seguir com seu mandato.

16/01/2020 10:14:35 Samuel Vilar

Torcida tem que protestar. Se for inventar de fazer isso quando a vaca for pro brejo, então já era.

16/01/2020 10:00:10 galdino souza

Todos os anos que atencedem a eleição presidencial do São Paulo o atual presidente inventa alguma coisa pra não largar o osso e nem sair do clube.Esses caras do São Paulo deveria tomar vergonha na cara e fazer igual o ex presidente do Palmeiras e do Flamengo deixar o time andar sem atrapalhar o clube de futebol bando de ladrões.

16/01/2020 09:48:38 Ale Kestering

Deveria abrir espaço para os torcedores também votarem no presidente do clube, assim acabaria essa história de o mesmo grupo político comandar o clube por décadas

16/01/2020 09:43:10 Benedicto marcos f Ff

Esse bando de pústulas só agem e delibersm em benefício próprio.O torcedor sampaulino para essa cambada de aproveitadores não passa de massa fe manobras indecentes.

16/01/2020 09:17:23 Rogério Manoel

Muito blá blá blá só pra roubar o nosso tricolor, bando de velhos maltidos.

16/01/2020 08:16:21 beto filho

LECO MATREIRO. AJUDE SPFC. SUMA INCOMPETENTE.

16/01/2020 08:12:28 Samuel Vilar

Vice-presidencias para principais diretorias: cabides de emprego. São Paulo está seguindo à risca a receita pra segunda divisão. Os vice-presidentes estão dando trabalho, questionando, querendo derrubar? Então vamos acabar com eles e deixar o cargo vago para o presidente colocar quem ele quiser. Se ele tirar onda demais, o demito, já que não é eleito. Vergonhoso.

Ou seja mas uma vez eles so pensa em fortalecer o poder dos grupo político ninguém quer o bem do clube vamos continuar com essas raposas sugando o sangue do são Paulo

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.